Best-ofs, lives, e afins
publicado por Pdavis
Ora bem em primeiro lugar devo pedir desculpa por não me ter sido possível postar mais cedo, mas atravessei uma semana algo atribulada.

Passo, agora em seguida, à crónica. E hoje vou fazer uma pausa no relato da "História Metálica", pois entendo que a maior parte das histórias, quando longas demais, também enfadam. E por isso vou abordar hoje um tema que há já algum tempo e anda a magicar pelos caminhos da mente.

Best-ofs, álbuns ao vivo, re-edições especiais, e toda uma restante panóplia de álbuns não de originais que por aí andam e que, em alguns casos, não fazem qualquer sentido. Recordo-me claramente de ter listo, numa Loud! de uns meses atrás que determinada banda (confesso que na altura fui ver a banda, mas eram tão bons que já não me lembro do nome) tinha acabado de lançar um álbum de "best of", com dois LP's e um EP editados. Ora, perante tal situação, o álbum resumia-se a um conjunto de músicas de entre as quais a mais antiga tinha cerca de cinco\seis anos, e tinha mais de metade de cada um dos discos anteriores em si incorporado. Tal situação era, portanto, absolutamente descabida, sendo que anda por aí muito boa gente com vinte e tal anos de carreira que nunca ousaram sequer pensar no release de um álbum oficial de greatest hits. Os Metallica são disto um bom exemplo.

E, sendo que eu falo de música, e não apenas de metal, vou utilizar o caso de Robbie Williams. Lançou, há uns anos, um best-of na minha opinião perfeitamente justificado, tanto pela qualidade musical, que ,na minha modesta opinião, existe, quanto pela larga escala da sua discografia. Creio que Mr. Robbie escolheu e bem o timing da edição do disco. Em 2004, o inglês estava no topo da sua forma e carreira, com um vasto leque de discos e sucessos, tendo por isso uma quantidade mais que aceitável de material. Foi então apenas caso para a escolha e regravação das faixas mais aclamadas pelo público.

Robbie que tinha, aliás, lançado um recente álbum intitulado "What we did last summer", um disco ao vivo gravado em Knebworth. O que me serve precisamente de fio condutor em direcção à segunda fase da minha crónica tardia de hoje.

Os álbuns ao vivo são, na minha óptica, um investimento muito mais legítimo e interessante do que os greatest hits. E porquê? Simplesmente porque nem toda a gente tem a oportunidade de ver as bandas de que gosta ao vivo, e ter a hipótese de adquirir um disco onde esses momentos especiais estão registados, por muito pouco genuinamente que seja, e digo isto porque apesar de tudo estar lá é sempre diferente, é uma ferramenta bastante útil e agradável. Confesso que eu mesmo, antes de ter tido a hipótese de ver os Metallica, no SBSR 2007, me deleitava constantemente ouvindo os "Live Shit binge & Purge" e "S&M", bebendo ansiosamente todos os minutos de qualquer uma das obras.

Actualmente, ando também com um álbum ao vivo constantemente nos ouvidos. Um de outra banda que não tive também, a hipótese de ver ao vivo, e nem sei se a terei alguma vez. Trata-se do "Live Apostasy at the Arena ov Aion", dos Behemoth.

Deste modo, posso concluir que, de facto, enquanto considero os lives com épicos e grandemente atraentes, para mim os best-ofs não passam de regravações de faixas antigas e consagradas que, embora possam ter indubitavelmente qualidade e serem um bom recurso para quem gosta de reunir e ter apenas os grandes sucessos, são escusados para aqueles seguidores que têm toda uma discografia da banda que veneram, e conhecem portanto de trás para a frente todas as músicas.

Posto isto, acho que já me alonguei demais sobre o tema, e vou portanto concluir.
Até para a semana
Dave \m/

Marcadores: , , , ,

Deixa-nos a tua opinião sobre este post:

Postar um comentário

07/03/2009 11:08 |Blogger yahtzee ~  
Gostei imenso desta crónica. Disseste uma coisa que é muito verdade, para quem não tem/teve oportunidade de ir ver uma banda de eleição ao vivo, os albúns ao vivo são absolutamente essenciais. Também faço de exemplo os Metallica pois nunca tive a oportunidade de os ver (algum dia terei!) mas até lá sem duvida que poder ouvi-los a cantar ao vivo num cd já dá para aguçar o gosto! Além disso eu acho que a qualidade de uma banda prova-se pelo seu trabalho ao vivo portanto eu sou totalmente a favor de concertos gravadinhos em cd ou DVD! ;)
11/03/2009 21:59 |Anonymous Anônimo  
:$ nao mesmo nada do assunto! criatividade!
11/03/2009 21:59 |Anonymous Anônimo  
nao gosto perdao
(c)2009 A Outra Galáxia | aoutragalaxia@gmail.com
Optimizado para Firefox 3+ e Internet Explorer 7+ a 1280*1024