Festivais
publicado por Pdavis
Agora que se começa a aproximar o calor, aproximam-se também os festivais de Verão tão apreciados em alguns núcleos da comunidade musical. Em Portugal, particularizando a divagação, estes têm-se tornado cada vez mais populares, com uma crescente afluência de público, e uma consequente, ou talvez causal, aumento da qualidade.

De facto, desde há uns anos para cá, mais bandas ditas grandes das várias “cenas” musicais fazem do nosso país um ponto de passagem de digressões, e para isso muito contribuem os festivais que possibilitam a vinda dos artistas minimizando custos pelo agrupamento das várias bandas.

Nos últimos anos, temos vindo a observar o crescimento de festivais já longamente pertencentes ao circuito português (SuperBock SuperRock, Sudoeste, etc..) e ainda o surgimento de alguns que têm potencial para se estabelecerem como paragens quase obrigatórias, sendo exemplo maior deste tipo o OptimusAlive. Por último, devo ainda referir o Rock in Rio, festival internacionalmente conhecido já desde o início da década de 90, que em 2004 passou a ter em Lisboa o sítio da sua execução.

Para marcar o cunho pessoal que creio que deve ser dado a este tipo de textos, utilizarei a minha experiência individual que, longe de ser excepcionalmente vasta, já dá para uns quantos parágrafos de reflexão.
Pois bem, a minha "vida festivaleira" iniciou-se em 2006, no SuperBock, na altura ainda também SuperRock, quando fui para ver maioritariamente Deftones e Alice in Chains, devendo no entanto confessar que saí de lá bastante entusiasmado com os gigs de Placebo e Tool. Em termos de organização, gostei bastante, para primeira vez posso considerar que foi uma iniciação bem conseguida.

No ano 2007, e com a natural evolução dos meus gostos musicais, surgiu, pela mão do mesmo festival, a hipótese de ver ao vivo aqueles que se tornavam rapidamente na minha banda de eleição, os Metallica. A acompanhá-los vinham os Mastodon, Stone Sour e Joe Satriani que, devo dizer, não me despertavam na altura grande interesse, como posso ainda afirmar que é o caso actual. A actuação do virtuoso guitarrista ficou, aliás, fortemente marcada na minha mente pelo facto de a ter passado inteiramente na zona de "comes", à imagem de um abismal número de cabelos longos e t-shirts pretas com o nome dos americanos gravado. Quanto ao concerto que me tinha levado lá, posso apenas dizer que ainda hoje acredito ter sido o melhor espectáculo que alguma vez presenciei. Sendo verdade que estive também presente em Junho último no Rock in Rio, considero o setliist dos Metallica dessa noite o melhor, bem como a própria actuação.

Falando resumidamente do Rock in Rio, falo com a certeza de que Moonspell tinha condições mais do que suficientes para não ser a banda de abertura, tal foi a alma, o empenho e a qualidade que evidenciaram no seu set, mas devo ainda referir que o concerto de Machine Head foi talvez o melhor da noite, sendo arrepiantes os momentos em que a banda entra em palco, e também aquele em que se faz a cover de Hallowed Be Thy Name. Quanto a Metatllica, apenas de destacar a inesperada presença de várias faixas da fase Load e ReLoad, que, não obstante terem quebrado um pouco o ritmo, acabaram por encaixar bem no alinhamento.

Concluindo, para este ano o OptimusAlive começa-se a apresentar como o festival com o mais forte cartaz, principalmente para aqueles que, como eu, gostem de passar uma boa noite de peso. O dia 9 de Julho promete, não só por Metallica e Machine Head de regresso a Portugal, mas ainda pela muito aguardada estreia de Lamb of God em território nacional. Mais emocionante, só o Caos Emergente que ocorrerá em Setembro, com nomes como destruction, The Haunted e Akercocke já confirmados. Tanto um como outro me fazem crescer água na boca e, em estando por cá, é certo que lá passe. Tanto em Algés, como em Recarei.

Dave \m/

Marcadores: , , ,

Deixa-nos a tua opinião sobre este post:

Postar um comentário

19/04/2009 17:10 |Blogger Thaurer  
pois, mas o alive, se fosse era só por slipknot e metallica. mas a concorrencia do marés vivas é forte. para alem de ser mais perto, vai contar com a precensa dos Guano Apes, que sao simplesmente uma das bandas que me introduziu a musica pesada e k ainda hoje é das minhas favoritas, e os scorpions. para além de que fica muito mais perto de casa, e como tal, muito mais barato.

e ainda ha os NIN em paredes de coura, e os Epica que vêm a vagos e Manson ao Porto.

como tal, axo k o alive nao tem forças para conseguir que eu salve algum dinheirito pa me levar a lisboa.
xD
(c)2009 A Outra Galáxia | aoutragalaxia@gmail.com
Optimizado para Firefox 3+ e Internet Explorer 7+ a 1280*1024